16/06/2017

À conversa com... Drª Rita Viana, Terapeuta da Fala

A Drª Rita Viana colaborou com O Sítio da Fala para que todos possamos conhecer melhor o seu percurso profissional. É uma privilegiada por trabalhar num local tão diferente e especial quanto os doentes que frequentam a sua consulta. Sem ter noção disso, a Rita é uma das responsáveis por eu também ser terapeuta da fala -  ouvi, desde cedo, as suas histórias e conquistas que sempre foram tão motivadoras.
Aqui fica o seu testemunho!

P - Como apareceu a Terapia da Fala na tua vida?

R - A terapia da fala surgiu de uma forma muito natural na minha vida. Como sabes tenho pessoas próximas da minha família que trabalham na área de reabilitação. Uma colega de curso da minha irmã tinha uma amiga terapeuta da fala, e achava que era uma área que tinha a ver comigo e, na verdade, é uma profissão que me preenche muito do ponto de vista pessoal e profissional. Naturalmente meu pai também acabou por ajudar em relação a esta escolha.

P - Consegues imaginar-te sem esta profissão?

R - Sinceramente não. Já lá vão 16 anos de terapia da fala e a trabalhar no IPO-Porto. Continuo a gostar imenso do que faço. Todos os dias há desafios novos, o que é bastante estimulante do ponto de vista profissional e pessoal.

P - Trabalhas com uma população muito especial. Como é o teu dia-a-dia profissional?

R - Antes de mais devo dizer que sou a única terapeuta da fala do IPO-Porto e estou integrada em dois serviços, o de ORL e  de MFR, onde faço atendimento na consulta de ambulatório e no internamento. O objectivo da terapia da fala nos serviços em questão é a reabilitação de todos os doentes que tenham indicação de reabilitação quer por disfagia, perturbação da fala ou disfonia/ afonia como sequela do tratamento de cancro da cabeça e pescoço, que são a maioria, quer por outras patologias como afasia por tumor cerebral, paralisia das pregas vocais pós cirurgia à tiróide, cardio-torácica ou porção superior do esófago, ou perturbação da fala ou linguagem em crianças. Como vês, tenho um leque muito abrangente de pacientes, mas a maioria, como disse anteriormente, são pacientes com cancro de cabeça e pescoço. Torna-se muito importante estar integrada no serviço de ORL para que a intervenção seja o mais célere possível. Faço consulta pré-operatória nos doentes propostos para laringectomia total o que permite explicar a consequências da cirurgia e seleccionar o melhor método de reabilitação vocal nessa consulta, inicio reabilitação nos doentes com disfagia no internamento e mantenho acompanhamento em consultas de ambulatório durante a radioterapia e follow-up, e tenho um trabalho próximo com a equipa de enfermagem na consulta e internamento, havendo encaminhamento de ambas as partes conforme as necessidades dos doentes. Portanto, o meu trabalho não tem nada de rotineiro.

P - Qual é a característica que mais te diferencia?

R - Boa pergunta. Sinceramente acho que o saber ouvir se torna muito importante para esta população de doentes, que geralmente têm dificuldade em ser compreendidos no meio familiar e social. São doentes que têm tendência ao isolamento social, e o saberem que alguém tem facilidade em compreendê-los dá-lhes segurança e conforto, bem como ajuda a criar um laço de empatia entre o doente e a terapeuta. Alguma dose de paciência também é importante porque os resultados terapêuticos por vezes são tardios e não é fácil para o doente gerir esta "espera". Nesse sentido, acho que o ser boa ouvinte e paciente ajudam e são características naturais em mim, acho eu.

P - Na nossa profissão temos doentes que nos marcam. Existe algum de que te lembres mais?

R - Tenho muitos doentes que me marcaram, mas uma que me ficou na memória foi uma menina de 12 anos que me "adoptou" desde a primeira consulta. Infelizmente a doença venceu, mas pude fazer um acompanhamento profissional e pessoal desde o momento que a conheci até ao momento da morte. Cresci muito do ponto de vista pessoal com esta princesa. Lembro-me também de um senhor que era jornalista e foi submetido a laringectomia total sem prótese fonatória, e que foi um desafio. Devo dizer que é dos doentes com melhor voz esofágica que conheço, mesmo após um período difícil de adaptação. Existem casos graves de doente submetidos a grandes cirurgias da cavidade oral  que estão reabilitados e bem, ou doentes laringectomizados totais com vozes fantásticas. Naturalmente que esses doentes nos motivam e servem de exemplo para outros que ainda estão no processo.

P - Se bem te conheço, desejas sempre mais e melhor. Quais são as ideias e projectos para o futuro?
R - O projecto futuro é continuar a trabalhar da melhor maneira possível tendo em conta os recursos humanos e materiais existentes. Provavelmente se houvesse outro terapeuta da fala poderia organizar uma consulta pré-operatória para todos os doentes, poderia acompanhar os doentes propostos para tratamento não cirúrgico, poderia acompanhar os doentes paliativos ou de outras especialidades. Se houvesse mais ORL's talvez pensar numa consulta de disfagia. Há muita coisa que gostaria de ver concretizada, e que espero que se torne uma realidade um dia. Compreendo que existem outras carências no hospital que são prioritárias, por isso vou lutando e aguardando pela minha vez.

20/02/2017

Revisão de livro - "Linguagem Escrita - Atividades de Conhecimento Fonológico"


FICHA DO LIVRO
Título: Linguagem Escrita - Atividades de Conhecimento Fonológico
Autores: Rosa Lima; Carmélia Cunha
Editora: Lidel
Ano: 2017

É um livro prático dirigido a pais, professores e técnicos. Começa com uma introdução com racional teórico e instruções sobre a utilização do livro. É composto por 20 unidades, cada uma com seis fichas.
As actividades focam-se nas competências fonológicas associadas à oralidade e escrita. No final são apresentadas as soluções.
Os conjuntos de grafemas que as autoras seleccionaram são aqueles que encontramos com mais frequência na clínica.
Cada ficha tem uma quantidade suficiente de estímulos para o tempo de atenção de uma criança típica.

Este tipo de livros permite aumentar a velocidade do fluxo de trabalho do terapeuta.
É urgente a publicação de outros trabalhos assim para aumentar a qualidade dos estímulos que apresentamos aos clientes. A quantidade de estímulos de cada ficha permite ainda a repetir com intensidade cada objectivo - aumentando, naturalmente, a eficácia da terapia. Creio que tornará as sessões são mais produtivas e a intervenção indirecta mais eficaz, uma vez que podemos usar as actividades em regime de prescrição.

09/11/2016

Recursos sobre Evidência em Terapia da Fala e Fonoaudiologia

Em qualquer área clínica é importante mantermos-nos actualizados para garantir um serviço rápido, eficaz e de qualidade. É importante, ainda, que seja personalizado a cada cliente.
O termo "prática baseada na evidência" tem estado em voga nos últimos anos e pressupõe a integração dos dados clínicos com a investigação mais recente; isto, para além de pressupor a partilha dos resultados obtidos na sua prática, claro. Para saber mais sobre isto, pode consultar este link.
Existem algumas plataformas que nos ajudam a integrar os resultados das investigações mais recentes na nossa prática clínica, pelo simples facto de reunirem a informação e tornarem mais fácil a pesquisa.
Se conhecerem outros recursos, comentem em baixo!



É uma base de dados que reúne e classifica de acordo com os níveis de evidência as investigações no âmbito da Terapia da Fala. Existe desde 2008 e é gerida por um grupo de terapeutas da fala da Universidade de Sydney. Tem um motor de busca muito interessante e útil - permite pesquisar com base na área, intervenção, população, tipo de estudo, etc. Usa o sistema de classificação de evidência da sua homóloga PEDro-P, para fisioterapeutas.


É uma ferramenta recente que a ASHA disponibiliza. Está organizada por perturbação clínica/doença ou funcional. Reune os documentos (artigos originais, guidelines, revisões sistemáticas, etc) que evidenciam resultados em cada área. Melhor do que isso, é apresentado um resumo compreensivo para cada artigo - o que torna a interpretação dos resultados muito mais rápida (não tem de ler o artigo na integra),
fácil (não tem de ter acesso ao artigo; o "sumo" está já apresentado e pronto a usar) e prática (apresenta as perspectivas dos clientes, sempre que possível).

3. Guidelines


4. Outros sítios

25/07/2016

5 Livros fundamentais para um Terapeuta da Fala

Ao longo dos anos vamos construindo a nossa biblioteca. Se existe alguma coisa que prezo são os meus livros. Tenho e tive de tudo: livros que nunca darei ou venderei, até livros que me arrependi bastante de ter comprado.
Hoje mostro-vos os livros de texto (do inglês textbooks) que considero insubstituíveis para a nossa prática. Façam o favor de dar a vossa opinião!

5º - Speech-Language Pathology Desk Reference - Thieme
(Roser, Pearson, Tobey, 1998)


É um livro que, apesar de ser de 1998, apresenta uma recolha de dados normativos e standards da nossa prática. É de fácil consulta e realmente útil. Está organizado por áreas e apresenta esquemas, tabelas, diagramas e outros suportes interessantes. A grande desvantagem é ser antigo e alguns dos dados já não serem actuais.



4º - Fonologia Infantil - Avalaiação, Aquisição e Intervenção - Almedina
(Lima, 2009)

Tal como o título sugere, o livro aborda todos os aspectos em torno da fonologia infantil. A parte mais interessante e útil é a última, em que a autora apresenta estratégias práticas para o trabalho dos diversos fonemas. Apesar de recorrer a autores que começam a estar pouco actualizados, a autora dá primazia à sua perspectiva - nota-se que tem uma grande experiência clínica que passa com sucesso ao leitor!


3º - Tratado de Fonoaudiologia - Roca
(org Fernandes,. Mendes, Navas, 2010)

Foi o meu primeiro tratado e tive-o mal saiu! Como tratado que é, este livro é grande e de carácter essencialmente teórico. Aborda todas as áreas e cada capítulo é escrito pelos melhores autores brasileiros. Tem uma encadernação muito boa e é de fácil consulta.



2º - Treatment Resource Manual for Speech Language Pathology - Cengage
(Roth, 2016)

Já vai na 5ª edição. É um livro fundamental para quem está a iniciar a sua prática clínica. É bom também para quem actua em diversas áreas e não se diferencia tanto. Percorre todas as áreas da nossa actuação e apresenta os diferentes métodos de intervenção para cada uma. Dá sempre exemplos com estudos de caso e fornece materiais como tabelas de registo e outros. Como qualquer livro generalista, não aprofunda algumas áreas de intervenção; também não tem em conta alguns dos procedimentos mais actuais. Muito prático, bom e importante!



1º VENCEDOR
Metodologias de Intervenção em Terapia da Fala - 1º volume (UFP)
(org Peixoto e Rocha, 2009)

Claro que este teria de ser o vencedor! Li-o "de fio a pavio" e foi com a maioria dos seus autores que aprendi a fazer o que hoje faço. É um livro teorico-prático escrito por alguns especialistas portugueses em cada uma das áreas. Contudo, foi escrito a pensar em seguintes edições, pelo que não abordam todas as áreas de interesse da Terapia da Fala.  É obrigatório na biblioteca de qualquer terapeuta da fala português!

29/06/2016

10 Perguntas para Fazer ao Seu Terapeuta da Fala


Destinatários: público, pais, familiares e cuidadores.


Quando procurar um terapeuta da fala, para si ou para um familiar, é natural que surjam algumas questões. Este profissional é especialista em questões relacionadas com a comunicação humana e pode ajudar a recuperar as funções relacionadas com a fala e linguagem, tanto quanto possível.

A motivação e a vontade do paciente são peças fundamentais no processo de recuperação.
No caso de procurar ajuda para um familiar, o seu papel deve ser activo e de colaboração! Ao participar nas sessões terapêuticas poderá aprender estratégias e actividades para fazer com que os resultados apareçam mais rápido e melhores. Nunca se esqueça que estamos todos a falar de comunicação - por isso, é importante que todas as pessoas que interajam consigo ou com o seu familiar estejam em sintonia para que as mensagens verbais sejam transmitidas e recebidas da melhor forma possível.

É muito importante garantir que quem está a ser tratado compreenda claramente o problema que tem, assim como os objectivos da terapia. Nunca fique com dúvidas para si ou para outras pessoas -  o terapeuta da fala é a melhor pessoa para lhe responder sobre o seu próprio trabalho! Não fique envergonhado se tiver de escrever essas questões para ter a certeza de que se lembra delas no dia da consulta.

Apresento, em baixo, 10 perguntas que pode fazer ao Terapeuta da Fala:

1. Quais serão os maiores desafios comunicativos?

2. Já trabalhou com outras pessoas com o mesmo tipo de problema?

3. Trabalha em equipa? Que membros fazem parte da equipa?

4. Quais são os objectivos realistas para a terapia, agora e no futuro?

5. Como é que a terapia ajudará a atingir esses objectivos?

6. O que é que cada um de nós pode fazer para ajudar?

7. Que estratégias podemos adoptar para melhorar a comunicação?

8. Um dispositivo de comunicação pode ajudar? Se sim, teremos de falar com um especialista em comunicação aumentativa e alternativa?

9. Existem alguns recursos que aconselhe, tais como grupos de suporte?

10. Se tivermos mais questões, como o podemos contactar?


Baseado no artigo: http://inhealth.cnn.com/article/10-questions-to-ask-your-speech-pathologist